O blog mais engraçado da região.


 

 


segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Esse texo eu vi no Abobra. É meio grande mas é engraçado pra caralho:

Caga Grosso

Eu sei que o assunto é escabroso, mas a história tem seus atrativos; um deles é que aconteceu de verdade. Minha senhora foi testemunha, e no sarau de ontem (a falta de luz, às vezes, é benéfica) rimos muito dela.

Meu cunhado Zé Luís tem uma irmã famosa por cagar grosso. E quando eu digo grosso, eu quero dizer grosso mesmo: as dimensões médias de um troço dela equivalem às de um pão francês. Evidente que a fama fica no seio da família; é o tipo da coisa que não se deixa extrapolar, para evitar o gáudio da galera alheia. Minha mulher, por exemplo, conhecia a moça, mas não seu infame atributo.

Pois estava meu cunhado promovendo uma das suas periódicas feijoadas públicas ontem; minha mulher foi, e a dita irmã foi também. Diz a minha consorte (bonita palavra, ?consorte?; liga a sorte dela à minha, o que é, no fundo, um tremendo azar) que a moça entrou no banheiro para a ?função barral?, e saiu depois, normalmente, quase assoviando. Minha cunhada entrou em seguida, e saiu depressinha:

- Zé, vem cá!
O Zé Luís, que é um bonachão, foi, andando devagar.
- Fala, amor.
- Não acredito! Tua irmã fez aquilo de novo!

Vocês hão de compreender a minha senhora quando ela diz que seus ouvidos saltaram com essa frase. Ela ficou interessada, e não é para menos. Eu também ficaria: ?aquilo? o quê? Que tipo de coisas ela praticava nos banheiros? Madame Tosetto deixou de encher seu prato e foi lá ver.

- Que é que houve, gente?
- Olha lá o que é que houve respondeu minha cunhada, furiosa.

Ela foi, viu e não entendeu. Disse-me que a primeira coisa que pensou foi que haviam jogado um ovo de páscoa na privada. Depois, notando a textura, o aroma e outros detalhes técnicos, percebeu o que era.

- Nossa!
- É sempre assim - rugia a minha cunhada - Sempre que ela vem aqui, ela caga esses troços enormes, e entope tudo! Olha aí, não desce!

E apertava a descarga, várias vezes seguidas. A água vinha quase à boca da bacia, e refluía devagar, mas o troço não passava mesmo. Minha cunhada quase chorava:

- E agora, Zé Luís? Que que a gente faz?

Zé Luís é a imagem da calma. Falou devagar, muito tranqüilo:

- Olha, faz o seguinte... você enche aí um balde d?água... vem... e despeja. Mas vai despejando devagarinho, entendeu?... de pouquinho em pouquinho... até que desce.

Nessa altura, o movimento no banheiro já havia atraído mais gente. Veio primeiro a minha sogra, depois a mãe do Zé Luís (e, por conseguinte, mãe também da infratora). Que já chegou perguntando o que havia.

- Olha aí a merda que a tua filha fez - respondeu minha cunhada, já mandando a gentileza pro mato.
- Ai, meu Deus, que vergonha!!! Eu falo pra essa desgraçada não cagar na casa dos outros que sempre a gente passa esse vexame, minha nossa Senhora!

Minha sogra olhou, encostou na parede e começou a rir fininho:

- Qui, qui, qui, qui, qui...

Minha cunhada foi encher o balde, e o resto do povo ficou lá, contemplando. A mãe dela dizia a todos:

- Olha, lá em casa essa infeliz já entupiu os canos tantas vezes que o meu marido não teve remédio senão deixar um pedaço aberto, pra gente limpar o cano com um vergalhão quando acontece. Nunca vi uma coisa dessas! Como é que passa, um troço desse tamanho?

Voltou minha cunhada com o balde. Era um balde grande; começou a despejar, debaixo de múltiplos conselhos:

- Devagar, devagar...
- Despeja em cima da bosta.
- Pára um pouco, pára; agora vai...
- Ih, num vai descer não...
- Qui, qui, qui, qui, qui...
- Calma, gente.
- Joga logo tudo de uma vez, ué!

Acabou a água. A merda não desceu.

- E agora?
- Agora a tua irmã que venha jogar água!
- Não é por aí... vamos dar um jeito.

Minha mulher deu uma idéia.

- Pega um pau e catuca aí o cocô até descer.
- Boa idéia.

Foi meu cunhado em busca de um pau. O resto ficou lá, olhando a merda. Volta ele com o pau. Começou a cutucar, mas nunca pegava de jeito, e a bosta escapava, escorregando ora prum lado, ora pro outro. E tome o pau cercando a bosta, e o troço dando show de agilidade.

- Assim não vai concluiu - meu cunhado. E coçou a cabeça. E todos coçaram a cabeça. E foi uma grande coçação, até que a mãe dele sugeriu aquilo em que todos pensavam, mas que ninguém queria falar:
- Pesca com a mão e joga no lixo, ué.
- Que é isso, mãe... tá louca?
- E tem outro jeito, menino? Pega logo aí e joga isso no lixo.
- Imagina se eu vou meter a mão na merda, mãe...
- Usa aí uma dessas tuas luvas de enfermeiro.
- De jeito nenhum. Tem que haver outra maneira.

E teve uma idéia.

- Peraí.

Saiu e voltou com outro pedaço de pau.

- Olha só: com esse pau aqui, eu encurralo o troço aqui neste cantinho...

E encurralou o troço num cantinho.

- ...e com este aqui eu catuco ele pra baixo.

E foi empurrando mesmo, os gestos lembrando o destrinchar de um peru. E encurrala daqui, soca dali, vai, vai, vai, foi: a merda desceu. O cano, estrangulado, emitiu um gorgolejo, mas mandou para baixo com indiscutível segurança.

- Desceu!
- Desceu!
- Êêêêêêêêêêêêêêê...

Sorridentes, voltaram todos à cozinha, para encher seus pratos. Ficaram um longo e indeciso minuto olhando para o caldeirão, onde borbulhavam feijões e paios.

*Texto de Orlando Tosseto.

Mais uma putaria escrita por: Sr. Manoellito 9:32:00 PM

_______________________________________________________________________


Agosto2003
Setembro2003
Outubro2003
Novembro2003
Dezembro2003
Janeiro2004
Fevereiro2004
Março2004
Abril2004
Maio2004
Junho2004
Julho2004
Agosto2004
Setembro2004
Outubro2004
Novembro2004
Dezembro2004
Janeiro2005
Fevereiro2005
Março2005
Abril2005
Maio2005
Junho2005
Julho2005
Agosto2005
Setembro2005
Outubro2005
Novembro2005
Dezembro2005
Janeiro2006
Fevereiro2006
Março2006
Abril2006
Maio2006
Junho2006
Julho2006
Agosto2006
Setembro2006
Outubro2006
Novembro2006
Dezembro2006
Janeiro2007
Fevereiro2007
Março2007
Abril2007
Maio2007
Junho2007
Julho2007
Agosto2007
Setembro2007
Outubro2007
Novembro2007
Dezembro2007
Janeiro2008
Fevereiro2008
Março2008
Abril2008
Maio2008
Junho2008
Julho2008
Agosto2008
Setembro2008
Outubro2008
Novembro2008
Dezembro2008
Janeiro2009
Fevereiro2009
Março2009
Abril2009
Maio2009
Junho2009
Julho2009
Agosto2009
Setembro2009
Outubro2009
Novembro2009
Dezembro2009
Janeiro2010
Fevereiro2010
Maio2010
Junho2010
Julho2010
Agosto2010
Setembro2010
Novembro2010

 
<body>