O blog mais engraçado da região.


 

 


segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Lata véia

Aê galera, cuidado quando for escrever pro Caldeirão do Huck pedindo pra reformar seu Fiat 147 todo muído que foi herança do seu bisavô e tem um valor sentimental, olha só essa reportagem.



Neste final de semana, o JB teve acesso a algumas informações do caso de fraude do programa Lata Velha. Vale a pena ler todo o texto!

Estava bom demais para ser verdade. Foi o que pensou João Marcelo Vieira, 37 anos, ao participar do quadro Lata velha, no programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo. O sonho de ver seu Opala verde, ano 79, transformado em uma supermáquina durou menos de 24 horas. No dia da gravação, o vendedor não percebeu que não existia mais nada do Opala no modelo reformado. Nem no dia seguinte, quando a produção rebocou novamente o carro para a oficina, alegando que iria acertar a documentação. Meses depois, ele recebeu o carro, e só então percebeu, com o documento na mão, que o registro era uma Caravan 79.

O próprio João Marcelo demorou para entender o que estava acontecendo. O documento esclarecia as dúvidas: a Caravan marrom, que antes pertencia a Rubem de Souza, em Minas Gerais, teria sido comprada por ele próprio por R$ 4.200! O problema é que João, dono de um quiosque na Praia do Recreio, garante que nunca esteve na cidade de Ribeirão das Neves, em Minas, tampouco adquiriu o carro e muito menos assinou o documento de compra e venda. Estava, segundo ele, configurada a fraude. E começou uma odisséia em busca do verdadeiro carro.

“Me deram o documento do carro com minha assinatura falsificada e sumiram com o Opala, que era de um tio que morreu de câncer e me pediu para não vendê-lo nunca”, lembra João Marcelo. O Opala, que tinha o apelido carinhoso de Ogro, estava caindo aos pedaços, só pegava no tranco, mas quebrava galhos. O quiosqueiro nunca tinha pensado em fazer a reforma. A participação no Lata velha foi sugestão de dois clientes, os atores Rodrigo Hilbert e Fernanda Lima. A pedido deles, João Marcelo escreveu uma carta, entregue, em mãos, a Luciano Huck, durante uma festa. Dias depois, a produção do programa procurou pelo comerciante, fez entrevistas e fotos do carro.

"Na terceira entrevista, o Luciano apareceu no meu quiosque já para pegar o carro. Ele me propôs cantar uma ópera. Tive sete aulas de canto em Niterói. Tudo isso levou uns 26 dias. O carro supostamente foi para Belo Horizonte, eu acho, porque, até agora, a Justiça não conseguiu achar a oficina, cujo endereço foi passado pelo próprio dono, Paulinho Fonseca, baterista da banda Jota Quest", diz João Marcelo.

Para ter seu carro modificado no programa, João interpretou no ar O sole mio, de Luciano Pavarotti, e emocionou o público.

"No dia seguinte à gravação, dei uma volta com o carro, escoltado pela Globo. Logo depois, a emissora mandou rebocá-lo sob alegação de que atualizaria a documentação. No quarto dia, recebi um telefonema da Rita, da produção do Caldeirão, dizendo que uma pessoa do Sul tinha oferecido R$ 120 mil para comprar meu carro. Não aceitei porque minha intenção era ficar com o Opala modificado", explica.

Dois meses se passaram e nada do carro voltar. Ele conversou com Fernanda Lima, que conseguiu marcar uma reunião na Globo. Lá, João Marcelo diz que recebeu uma proposta financeira e que todos assumiram o erro do programa. Segundo o comerciante, a emissora não gostaria que o caso fosse para a Justiça. O encontro teria acontecido na sala do diretor da emissora Aloísio Legey.

"Havia três advogados, o Paulinho, o Aloísio e a Ana Bezerra, diretora de produção. O Aloísio perguntou o que eu queria e disse que se eu levasse o caso para a Justiça demoraria três anos. Falei que não queria nada, só o meu carro de volta", conta João Marcelo, que não esperava uma reação tão enérgica do diretor:

"O Aloísio bateu na mesa e disse que isso poderia acabar com o programa do Luciano quando eu falei que minha carruagem tinha virado abóbora e, por isso, a situação era grave", afirma.

O comerciante contou que ficou acertado no encontro que o programa devolveria o Opala transformado. Passados outros dois meses, o carro foi entregue. Mais uma vez, era a tal Caravan:

"Quando me deram a documentação, vi que era da Caravan marrom. O carro foi comprado por R$ 4.200 e ainda falsificaram minha assinatura para legalizar a transferência. O número do chassi na documentação não era do Opala. As placas de identificação nas portas do veículo também eram de outro carro. O carro é um Frankenstein, foi remontado em cima de outra carcaça", garante.

Desde janeiro, corre na Justiça um processo contra a Rede Globo e a Oficina Nittro Hot Rods no cartório da 1ª Vara Cível, em Jacarepaguá, com um pedido de indenização por danos morais e materiais.

OBS: Também fazemos parte da Campanha " A gente copia mas dá o crédito", copiei do site www.copiameufilho.blogspot.com que por sua vez copiou desse cara aqui www.adrenaline.com.br.

Mais uma putaria escrita por: Franck Duarte 9:37:00 AM

_______________________________________________________________________


Agosto2003
Setembro2003
Outubro2003
Novembro2003
Dezembro2003
Janeiro2004
Fevereiro2004
Março2004
Abril2004
Maio2004
Junho2004
Julho2004
Agosto2004
Setembro2004
Outubro2004
Novembro2004
Dezembro2004
Janeiro2005
Fevereiro2005
Março2005
Abril2005
Maio2005
Junho2005
Julho2005
Agosto2005
Setembro2005
Outubro2005
Novembro2005
Dezembro2005
Janeiro2006
Fevereiro2006
Março2006
Abril2006
Maio2006
Junho2006
Julho2006
Agosto2006
Setembro2006
Outubro2006
Novembro2006
Dezembro2006
Janeiro2007
Fevereiro2007
Março2007
Abril2007
Maio2007
Junho2007
Julho2007
Agosto2007
Setembro2007
Outubro2007
Novembro2007
Dezembro2007
Janeiro2008
Fevereiro2008
Março2008
Abril2008
Maio2008
Junho2008
Julho2008
Agosto2008
Setembro2008
Outubro2008
Novembro2008
Dezembro2008
Janeiro2009
Fevereiro2009
Março2009
Abril2009
Maio2009
Junho2009
Julho2009
Agosto2009
Setembro2009
Outubro2009
Novembro2009
Dezembro2009
Janeiro2010
Fevereiro2010
Maio2010
Junho2010
Julho2010
Agosto2010
Setembro2010
Novembro2010

 
<body>